sexta-feira, 3 de junho de 2011

Mais trechos de Dom Casmurro (II)


Machado de Assis escreve em Dom Casmurro:


"Agora só cumpria as obrigações do ofício e sem amor''. (Pág. 13)

"Com efeito, há lugares em que o verso vai para a direita e a música para a esquerda. Não falta quem diga que nisso mesmo está a beleza da composição, fugindo a monotoniam e assim explicam o terceto Éden, a ária de Abel, os coros da guilhotina e da escravidão. Não é raro que os mesmo lances se reproduzam, sem razão suficiente. Certos motivos cansam à força da repetição.'' (Pág.16)

"Prazos largos são fáceis de subscrever; a imaginação os faz infinitos.''
(Pág.18)

"... em vós me ficou a melhor parte da crise, a sensação de um gozo novo, que me envolvia em mim mesmo, e logo me dispersava, e me trazia arrepios, e me derramava não sei que bálsamo. Às vezes dava por mim, sorrindo, um ar de riso de satisfação, que desmentia a abominação do meu pecado."
(Pág. 19)

"Conhecia as regras do escrever, sem suspeitar as do amar; tinha orgias de latim e era virgem de mulheres."
(Pág. 23)

"Levantei os olhos ao céu, que começava a enbruscar-se, mas não foi para vê-lo coberto ou descoberto. Era ao outro céu que eu erguia a minha alma; era ao meu refúgio, a meu amigo."
(Pág. 32)

"A soma era enorme. A razão é que eu andava carregado de promessas não cumpridas." (Pág. 32)

"Desde pequenino acostumara-se a pedir ao céus os seus favores, mediante orações que diria, se ele viessem."
(Pág. 33)

"... cada promessa nova era feita e jurada no sentido de pagar a dívida antiga."
(Pág. 33)

"Os sonhos do acordado são como os outros sonhos, tecem-se pelo desenho das nossas inclinações e das nossas recordações."
(Pág. 43)


Nenhum comentário: