terça-feira, 26 de abril de 2011

Poema

Manoel de Barros


A poesia está guardada nas palavras - é tudo que sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas)
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.










Aqui você pode conhecer um pouco da biografia do autor. Vale a pena!





BARROS, Manoel de. Tratado Geral das Grandezas do Ínfino. Rio de Janeiro. Record, 2001, p.19.

2 comentários:

Ana Andreolli disse...

hahahaha

fica forte! pq tem coisa q a gente merece (ou nao) ouvir.

Débora Oliveira disse...

Levinho e ao mesmo tempo impactante.Dolorido isso...