terça-feira, 19 de abril de 2016

CADENTE

E talvez a minha sina seja amar a estrela cadente, fulgente,
que escorre pelos meus dedos, fugida.
Mas que incendeia meus olhos quando passa e brilha.

Escureço apenas quando a vejo passar
e não posso tocá-la.

Nenhum comentário: